Leia, comente, compartilhe.

Como ficar mais inteligente, tendo menos opiniões.

[mais inteligente]

Toda opinião que não foi obtida através de estudo atrapalha o seu desenvolvimento intelectual. Este post mostra o porquê disso e como se livrar desses parasitas de inteligências.


Como diria o Chuck Rhodes da série Billions, não quero que enfiem a mão no meu rabo e me manipulem como um maldito fantoche. A principal forma de fazer isso com as pessoas é justamente levá-las a achar que sabem coisas que na realidade não sabem.


Os psicólogos sociais há muito identificaram a regra da aprovação social. Segundo essa regra, um meio que as pessoas usam muito frequentemente para decidir em que acreditar ou como agir numa situação é observar em que as outras pessoas estão acreditando ou o que estão fazendo.


Essa é uma tendência muito forte em todos nós, ela é chamada pelos psicólogos sociais de tendência à conformidade com o grupo. O experimento do psicólogo social Solomon Asch ficou famoso por mostrar a força dessa tendência nas pessoas. Por favor, pare de ler por um momento e assista ao vídeo (de apenas 4 minutos) sobre o experimento de Asch, a seguir. Ele é muito impressionante.



Como dizia, essa tendência é forte em todos nós. Por exemplo, você acha que escolheu o seu corte de cabelo? Acha que escolheu as suas roupas? Não, essas escolhas geralmente são resultado de nossa tendência à conformidade. Para perceber o quanto isso é verdade, basta observar que nos grupos em que você convive muita gente corta o cabelo como você, muita gente se veste como você, muita gente fala como você e assim por diante.


Agora, procure refletir, por favor, sobre algumas opiniões simples que você tem. Por exemplo, você acredita que os seres humanos na pré-história moravam em cavernas? Você acredita que a Igreja Católica usava instrumentos de tortura para arrancar confissões durante a época da Inquisição? Você acredita que os índios foram quase todos exterminados pelos espanhóis e portugueses? Você acha que os seres humanos evoluíram a partir de algo como um macaco? Você acredita que os ricos são ricos porque, de alguma forma, tomam dinheiro dos pobres? Você acredita que Che Guevara foi uma pessoa de bom coração? Você está convicto de que existe aquecimento global ou de que não existe aquecimento global? Agora, pense numa pessoa famosa de quem você não gosta, você está convicto de que ela é uma pessoa má?


Depois de inventariar suas opiniões sobre esses assuntos, por favor, reflita sobre como você chegou a acreditar nessas coisas. Quantos livros você leu para chegar à opinião que tem? Você leu livros de autores com variados pontos de vista (que falavam a favor e contra uma determinada posição)? Analisou os argumentos? Verificou se os livros apresentavam documentação comprovando suas afirmações? É provável que, na grande maioria dos casos, você não tenha feito isso.


O mais provável é que você tenha acreditado nessas coisas (ou no contrário delas) porque as viu serem ditas na TV, porque um professor da escola lhe disse que as coisas eram assim, porque a estória de um filme as mostrava, porque estava escrito em um (único) livro que você leu sobre o assunto ou porque seus amigos pensam assim. É dessa forma que você pode ser facilmente manipulado através de suas opiniões.


Certos grupos políticos ou econômicos têm interesse em fazer as pessoas acreditarem em determinadas coisas, porque as crenças determinam as decisões das pessoas. Então, basta fazer com que certas opiniões sejam repetidas várias vezes na televisão, em livros, em escolas. Eles sabem, por exemplo, que quando uma pessoa ouve muita gente falar que uma coisa ou alguém é ruim, essa pessoa tende a tomar aquilo como verdade, mesmo sem investigar os fatos e passa a repetir o que ouviu, como se tivesse estudado a questão. E quanto mais pessoas agem assim, maior será a tendência de outras pessoas aderirem do mesmo jeito àquela opinião e maior será o receio de alguém externar opinião contrária.


Este é o estado de maior ignorância possível: quando a pessoa não sabe alguma coisa, mas não sabe nem mesmo que não sabe aquilo (isto é, pensa que sabe). Porém, há três palavras mágicas que quebram o encanto, são elas: eu - não - sei. Por que as pessoas (em especial, os brasileiros) têm tanta dificuldade de simplesmente admitir que não sabem alguma coisa, quando não a estudaram de verdade? Por que todos têm que ter opinião sobre tudo? Uma opinião vale tanto quanto ela custou, em tempo de estudo. Repetir o que ouviu, não importa se foi na TV, na escola, na faculdade, quando isso não é acompanhado de investigação, é simplesmente fazer fofoca.


Trocar opiniões desse tipo é fazer cambalacho, aquelas trocas de coisas que não valem nada por outras coisas que também não valem nada. Ou, ainda, como na série americana "Acumuladores Compulsivos", colecionar opiniões baratas é acumular lixo. É um processo de emburrecimento (no qual a pessoa, para não parecer ignorante perante os amigos, aceita se tornar um pouco mais ignorante), porque opiniões baratas não permitem à pessoa saber que precisa estudar um assunto. Por isso, frequentemente, ter menos opiniões faz a pessoa se tornar muito mais inteligente de fato.


26 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo